Entrevista sobre credenciamento no Mestrado em Letras da UFPI

O Prof. Dr. José Ribamar Lopes Batista Júnior foi, recentemente, credenciado docente permanente do Mestrado em Letras da Universidade Federal do Piauí. Ribamar Batista é mestre e doutor em Linguística, professor de Língua Portuguesa e coordena o Laboratório de Leitura e Produção Textual e o Ensino Médio no Colégio Técnico de Floriano. No mês de março, lançou o livro “Pesquisas em Educação Inclusiva – Questões Teóricas e Metodológicas” (Pipa Comunicação, 2016) sobre as pesquisas desenvolvidas nos últimos 8 anos sobre a inclusão de pessoas com deficiência nas escolas.

20160312_184959

Prof. Ribamar Jr no lançamento do livro “Pesquisas em Educação Inclusiva”

Confiram a entrevista concedida ao Colégio Técnico de Floriano:

CTF: Como o Senhor recebeu esta notícia de ter seu nome integrado ao corpo docente permanente do Mestrado?
Ribamar: Foi uma alegria porque havia solicitado o credenciamento em dezembro do ano passado. Estava descansando na hora do almoço, já que teria também aula à tarde quando recebi o e-mail da coordenadora pelo celular com as boas vindas.

CTF: Suas atividades desenvolvidas no CTF e sua produção científica já apontavam, para este caminho?
Ribamar: Assim que comecei a pesquisa, ainda no doutorado, não fazia parte dos meus projetos trabalhar com o Ensino Médio/Técnico. Ao chegar no CTF propus aos alunos os primeiros projetos – pipoca cultural e leitura e cena. Os resultados demonstraram o enorme ganho acadêmico e revelaram o verdadeiro potencial dos alunos que estava mascarado por traz dos trabalhos e provas tradicionais. Aos poucos, o Médio tornou-se minha paixão e hoje me sinto totalmente à vontade com as turmas. Daí ao credenciamento foram consequências. A cada ano, novos projetos e parcerias surgem e os resultados são confrontados com as teorias adotadas repercutindo em metodologias mais consistentes. Esse material vasto precisa ser trabalhado na pesquisa. O credenciamento será a porta de acesso aos novos pesquisadores que poderão compor as pesquisas em andamento. Dessa forma, sim, os projetos levaram naturalmente para a docência também no mestrado.

CTF: Quais as atribuições de um professor de Mestrado no processo de orientação dos alunos pesquisadores?
Ribamar: O principal papel do orientador é apresentar o universo da pesquisa ao aluno pesquisador. Demonstrar como as teorias compõem a forma de visão, e consequentemente, de leitura nas análises. Dar sentido ao texto a ser produzido (dissertação) correlacionando teoria/método/análise/resultados. Esse papel de facilitador é fundamental para que o novo pesquisador ganhe autonomia e engajamento na pesquisa e depende do orientador tornar o percurso mais tolerável, embora exaustivo, mais instigante, embora teoricamente consistente. Creio que orientar um pesquisador em formação possa ser comparado ao auxílio de um amigo que já conhece o percurso e que pode chamar a atenção do viajor iniciante para as reais riquezas da jornada.

CTF: Qual a diferença entre orientar alunos do Pibic Ensino Médio e alunos do Mestrado?
Ribamar: A diferença está na seguinte questão: no Pibic EM, os alunos são incentivados a vivenciar algumas práticas do mundo da pesquisa, é uma etapa inicial, sem muita cobrança para que o despertar pelo fazer científico já comece desde o Ensino Médio, bem como desenvolvam habilidades críticas, analíticas e linguísticas, principalmente, em relação aos gêneros do mundo científico. Já no mestrado, o pós-graduando tem um objetivo mais autônomo. Ele é o responsável pela investigação, cabendo ao orientador introduzi-lo na prática científica. Contudo, em ambos os níveis, a humanização do trabalho científico é função ética a que todos deveriam ter acesso. O engajamento deve ser recíproco, para que ao término do Pibic ou do Mestrado, a relação de amizade e de confiança permaneçam entre orientador e orientado, relação saudável nascida do respeito trabalhado com disciplina e percepção da sensibilidade do outro.

CTF: Qual será sua linha de pesquisa?
Ribamar: Sou linguista. Trabalho com pesquisas voltadas ao Ensino Médio Profissionalizante, e dentro desse contexto, lido especificamente com Letramento, Discurso, Mídia, Educação Inclusiva e Identidades.

CTF: De que forma sua atuação como professor do Mestrado em Letras da UFPI vai agregar à sua atuação como Coordenador de Ensino Médio do CTF?
Ribamar: A integração das práticas entre o Ensino Superior e o Ensino Médio na UFPI é uma reivindicação constante. Tanto abre uma possibilidade de espaço para os novos pesquisadores, um novo nicho de pesquisa, favorecendo o Ensino Superior, como permite aos professores e comunidade do Ensino Médio compartilhar dos avanços que essa nova aliança traz. Dessa forma, acredito que quanto mais professores do Ensino Médio atuarem também no Ensino Superior e na Pós-Graduação, mais forte será esse canal e mais consistente a atuação no ensino, pesquisa e extensão. Para os alunos do CTF, as possibilidades de atuarem em diferentes parcerias, tanto entre cursos como entre níveis educacionais, trará o compartilhamento de informações. Isso é muito bom porque a teoria pode ser comentada, mas somente a prática transforma a identidade.

About labprotextual

Laboratório Experimental de Ensino e Pesquisa em Leitura e Produção Textual do Colégio Técnico de Floriano da UFPI sob coordenação do Prof. José Ribamar Lopes Batista Júnior. Colaboradora: Prof. Denise Tamaê Borges Sato (Governo do Goiás)

Posted on 14 de Abril de 2016, in Sem categoria. Bookmark the permalink. Deixe um comentário.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s